Proposta de redação: “O poder da imaginação nos faz infinitos”,

 

Produza um texto dissertativo-argumentativo – com cerca de 25 linhas e título –, em terceira pessoa, comentando a frase do naturalista escocês/norte-americano John Muir (1834-1914):  seja para concordar com ela, seja para contradizê-la. Além disso, deve-se citar algum pensamento, frase ou ideia do artigo abaixo, inserindo a fonte de referência em seu texto (Marcelo Gleiser, no texto “A festa da imaginação”...).

 

 

A festa da imaginação

 

Marcelo Gleiser1

 

            Quando era garoto, costumava passar as férias de verão na casa dos meus avós, em Teresópolis, uma cidade na serra dos Órgãos, perto do Rio. Eram 80 km de viagem, os últimos 25 km atravessando montanhas, uma sequência espetacular de picos de granito. O Fusca do meu pai subia com muito esforço. Mas pouco me importava: torcia mesmo para que o carro avançasse bem devagar. Assim, tinha mais tempo de olhar pela janela, acompanhando a incrível transformação do cenário, do caos urbano de Copacabana às montanhas sublimes, recortadas por centenas de milhões de anos de erosão, revestidas aqui e ali pela inigualável mata atlântica. Para meus olhos de criança, a transformação da cidade em montanhas, dos prédios no majestoso Dedo de Deus, dos vasos de planta na explosão de orquídeas e bromélias, era algo de mágico. [...] O Carnaval era sempre lá, na casa das montanhas. Minha família escapava do calor e do buchicho, e íamos aos bailes vestidos de pirata e de cowboy, pulando e marchando ao som da banda ao vivo. Era uma grande festa da imaginação, cada um sendo o que queria ser, mas não podia. Crescer é perder a capacidade de imaginar que o imaginado é o real; é erguer cada vez mais a muralha entre a realidade e a imaginação, ficar sensato, esquecer-se de manter a mente aberta para contemplar o impossível.

            Nessas horas de nostalgia entendo por que acabei virando cientista. Queria ter uma vida em que a imaginação não é aprisionada pelo bom senso. É bem verdade que nenhuma criança pede para se fantasiar de Einstein ou de Santos Dumont – se bem que já saí com a Unidos da Tijuca vestido como o dito cujo. Mas poderiam: um reinventou o que é o espaço e o tempo; o outro inventou como podemos voar. São exemplos de pessoas que cresceram se recusando a crescer, ao menos sem erguer uma muralha intransponível entre realidade e imaginação. Pelo contrário, mostraram que é possível transformar a realidade em algo aparentemente mágico usando justamente a imaginação.

            É esse o aspecto mais cativante da ciência, recriar o mundo. Imagino a cara do meu avô se me visse falando num iPhone, ele no Rio e eu em Teresópolis; ou se usasse o seu GPS para evitar o trânsito na avenida Brasil; ou se olhasse para o céu noturno e vislumbrasse satélites cruzando a escuridão; ou se visse imagens de mundos distantes, trazidas por telescópios espaciais.

            Que mundo mágico esse em que vivemos, hein, vô? E que pena que pouco ligamos para essa mágica toda ou paramos para refletir que ela vem justamente dessas pessoas que têm um compromisso aberto com a imaginação.

 

GLEISER, Marcelo. “A festa da imaginação”. Folha de S. Paulo, 8 de agosto de 2014. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cienciasaude/154556-a-festa-da-imaginacao.shtml>.

 

 

  1. Marcelo Gleiser é escritor e professor de física teórica no Dartmouth College, em Hanover (EUA).