A IMPORTÂNCIA DE COMBATER A ADULTIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DE COMBATER A ADULTIZAÇÃO

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma-padrão da língua portuguesa sobre o tema: A importância de combater a adultização. Apresente uma proposta de ação social que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO 1


http://profpaulomazarem.blogspot.com/2015/03/dizendo-nao-adultizacao.html

TEXTO 2

Recentemente, Gabriella Abreu Severino, mais conhecida como Melody, tornou-se novamente alvo de polêmicas, dessa vez envolvendo seu último clipe e sua aparência em fotos do Instagram. A menina sofre um processo de erotização e adultização por conta do modo que se portava e como se vestia em publicações nas redes sociais e nos vídeos – sendo que ela tem só 11 anos de idade.

Melody era assediada online por meio de comentários de conotação pornográfica e chegou a ter sua conta suspensa após um grande número de críticas quanto ao apelo sexual das fotos. Em seu último videoclipe, já fora do ar, a cantora mirim faz caras e bocas, usa um figurino sensual e aparece com a maquiagem carregada, lhe dando a aparência de uma pessoa mais velha. E isso se repete nas fotos que ela posta. 

O pai de Melody, Thiago Abreu, que também trabalha como seu empresário, é acusado como responsável pela exposição e sexualização da menina. Ele pode pagar multa por isso, como informa a CLAUDIA.

Frente a isso, a adultização e erotização precoce de meninas foi novamente colocada em pauta. Não só Melody, mas também várias garotas são vistas na internet em um nível de exposição questionável. Milly Bobby Brown, a estrela de Stranger Things, é outro exemplo famoso. Ela tem apenas 14 anos e se veste como uma mulher adulta, pelo que mostram os cliques feitos em alguns eventos.

VEJA MAIS EM: https://mdemulher.abril.com.br/estilo-de-vida/psicologa-fala-sobre-os-riscos-da-adultizacao-e-erotizacao-de-meninas/