EMPREENDEDORISMO NO BRASIL, UMA REALIDADE AINDA PRECÁRIA

EMPREENDEDORISMO NO BRASIL, UMA REALIDADE AINDA PRECÁRIA

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma-padrão da língua portuguesa sobre o tema: Empreendedorismo no Brasil, uma realidade ainda precária. Apresente uma proposta de ação social que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

BRASIL É UM PAÍS DE EMPREENDEDORES, APONTA ESTUDO DA MCKINSEY

Pesquisa mostra que ecossistema de startups amadureceu, mas ainda faltam investimentos de venture capital

O total de investimentos em startups brasileiras foi de US$ 1 bilhão (R$ 3,85 bilhões) em 2018 (Foto: Pexels)

No Brasil, 39% da população economicamente ativa é dona do próprio negócio. O dado faz parte de um estudo da consultoria McKinsey, realizado em parceria com o evento Brazil at Silicon Valley (que teve início nesta segunda-feira, 8/08). Segundo dados da consultoria, que definiu o Brasil como “um país de empreendedores”, os resultados do estudo evidenciam um crescente potencial do ecossistema empreendedor brasileiro. Mas algumas melhoras ainda são necessárias.

LEIA TAMBÉM

Pequenos negócios sustentam geração de empregos no país, mostra pesquisa

Empreendedorismo atrai 52 milhões de brasileiros em 2018

Segundo a pesquisa, há mais de 8 mil startups explorando novas tecnologias e modelos de negócios no país. No total, essas empresas empregam mais de 30 mil pessoas. Cerca de US$ 1 bilhão (R$ 3,85 bilhões) foi investido nas startups brasileiras em 2018. Já a quantidade de aportes realizados por fundos de venture capital quase quintuplicou em dois anos: foi de de US$ 110 milhões, no primeiro semestre de 2016, para US$ 546 milhões, no mesmo período de 2018. 

O ano de 2018 também marcou o surgimento dos oito primeiros unicórnios brasileiros: 99, iFood, Gympass, Arco Educação, Ascenty, Nubank, Stone e PagSeguro.

Setores
No que se refere à inovação, as startups têm contribuído mais nos setores de serviços (16,2%), telecomunicações (11%), fintechs (8,8%), saúde (8,2%) e varejo (7,5%). Para inovar, a maioria das startups (37%) utiliza recursos como análise de dados e big data.

A maior parte dos hubs de inovação se concentra em sete estados: São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Pernambuco. 

Desafios
Apesar dos números positivos, o estudo destaca que os investimentos de venture capital no país ainda são baixos PIB ainda é baixa. Em 2017, o percentual de investimentos em relação ao PIB foi de 0,04%. O número chega a 0,16% no Canadá e 0,43% nos Estados Unidos.

A burocracia do país também pesa contra o ambiente de negócios. No Brasil, empreendedores levam 79 dias, em média, para abrir uma empresa, contra um dia e meio nos EUA. Os custos para fechar uma empresa por aqui são, em média, 44% maiores do que os gastos para abrir um negócio. Esses e outros números levam o Brasil à 109ª posição no ranking de facilidade para abrir novos empreendimentos. Fonte: https://revistapegn.globo.com/Empreendedorismo/noticia/2019/04/brasil-e-um-pais-de-empreendedores-aponta-estudo-da-mckinsey.html

Videos de apoio:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *